Curso de Lideranças Femininas reuniu cerca de 100 participantes no auditório da sede do PRB em São Paulo. Curso foi ministrado pela cientista política Daniela Rabello
Curso de Lideranças Femininas reuniu cerca de 100 participantes no auditório da sede do PRB em São Paulo. Curso foi ministrado pela cientista política Daniela Rabello

São Paulo (SP) – Ajudar mulheres a adquirirem conhecimento e desenvolverem habilidades para exercerem papeis de liderança no mercado de trabalho, na área política e nos diferentes segmentos da sociedade. Esse foi o objetivo do Curso de Lideranças Femininas realizado pelaFundação Republicana Brasileira (FRB), na última sexta-feira (31), para cerca de 100 participantes que ocuparam o auditório da sede do PRB em São Paulo.

Segundo o coordenador da subseção da FRB, Eduardo Verrone, já são mais de quatro mil alunos atendidos somente no estado de São Paulo. “Ver o auditório cheio em uma noite de sexta-feira chuvosa prova que o nosso esforço tem dado resultados”, declarou. “Despertar as pessoas para a política e formar cidadãos é a nossa missão”, disse.

São Paulo recebe Curso de Lideranças Femininas da FRB

Primeira mulher eleita deputada federal pelo PRB São Paulo, Maria Rosas compareceu para prestigiar a palestra. “Iniciativas como essas ajudam a preparar e armar os cidadãos do bem. Onde estivermos, temos que fazer a diferença”, comentou. A republicana também atua como coordenadora estadual do PRB Mulher SP, movimento social que tem o objetivo de engajar mais influências femininas na política.

A ativista política e defensora dos direitos das mulheres, Renata Banhara, defendeu que é preciso derrubar a ideia de que homens e mulheres competem no âmbito público. “Há um sofisma que diz que as mulheres entram na política para roubar o poder dos homens. Bobagem! Queremos agregar. E, por isso, os homens também devem nos apoiar para conquistar mais espaços”, elencou.

Mulheres têm mais sensibilidade para questões sociais e educação. É o que defende o professor e doutor em Ciência Política, Edson Rildo. “Gestoras públicas femininas também se mostram menos suscetíveis à corrupção. Ainda levará algum tempo, mas as mulheres alcançarão a igualdade de representatividade nos cargos públicos. É um processo que já se iniciou”, frisou.

O papel da mulher ao longo das décadas e nomes que marcaram história foram alguns dos tópicos do conteúdo apresentado pela palestrante e cientista política, Daniela Rabello. “Precisamos de mulheres verdadeiramente apaixonadas por política para que, juntas, possamos buscar uma sociedade diferente”, apontou.

Para a especialista, um dos fatores que impede a maior inserção de mulheres no âmbito público se deve ao excesso de tarefas que as elas enfrentam. “Somos responsáveis pela casa, pela família, pela criação dos filhos, por fazer o mercado e por nossas próprias carreiras. Contar com a ajuda dos nossos maridos e educar nossos filhos a dividirem tarefas tornaria nossa rotina muito mais equilibrada”, defendeu.

Também participaram do curso a escritora e vice-coordenadora do PRB Mulher SP, Carlinda Tinôco, e Debora Cerazza, de Francisco Morato, entre outras lideranças femininas de diferentes regiões do Brasil e do mundo, como Brumadinho (MG) e da Croácia.

Texto: Fábia Zuanetti / Ascom – PRB São Paulo
Fotos: Wesley Ribeiro / Ascom – PRB São Paulo

Posts Relacionados