“Não podemos admitir que o cadastro nacional continue em desuso. A busca por crianças e adolescentes desaparecidos deve ser prioridade deste governo”, afirma o republicano
“Não podemos admitir que o cadastro nacional continue em desuso. A busca por crianças e adolescentes desaparecidos deve ser prioridade deste governo”, afirma o republicano

Brasília (DF) – O deputado federal Roberto Alves (PRB-SP) encaminhou requerimentos de informação aos ministérios da Justiça e Segurança Pública; e da Mulher, Família e Direitos Humanos, solicitando explicações sobre falhas no Cadastro Nacional de Crianças e Adolescentes Desaparecidos. Os ministros Sérgio Moro e Damares Alves, respectivamente, têm prazo de 30 dias para responder aos questionamentos.

O cadastro está disponível on-line no site www.desaparecidos.gov.br. Porém, a plataforma apresenta falhas de carregamento e está isolada, desconectada aos órgãos federais e estaduais de segurança pública, servindo apenas de cartaz virtual de crianças e adolescentes desaparecidos.

Em seu requerimento, Roberto Alves argumenta que a busca por crianças e adolescentes desaparecidos depende de um sistema integrado de informação envolvendo os sistemas de segurança pública, de saúde e assistência social da União, dos estados e municípios, para que o alerta de desaparecimento seja eficiente e as ações de busca tenham melhores resultados.

“Não podemos admitir que o cadastro nacional continue em desuso. A busca por crianças e adolescentes desaparecidos deve ser prioridade deste governo. Como parlamentar e defensor dos direitos da infância, quero ser informado oficialmente sobre as ações que estão sendo implementadas pelo Governo Federal, para que o Poder Legislativo possa contribuir e juntos avançarmos”, destacou Roberto Alves.

O Cadastro Nacional de Crianças e Adolescentes Desaparecidos, que deveria integrar as instituições, segue inoperante há cerca de dois anos.

Dados divulgados pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública apontam que 82 mil pessoas desapareceram no Brasil em 2017. O índice de casos solucionados foi de 64,7%. A ONG Mães de Sé, que atua na mobilização social pela busca de jovens desaparecidos, estima que 40 mil crianças e adolescentes desaparecem todos os anos no território nacional.

Texto: Ascom – deputado federal Roberto Alves
Foto: Douglas Gomes

Posts Relacionados