Em painel organizado pela Apex-Brasil, ministro apresentou perspectivas do cenário econômico a investidores chineses
Em painel organizado pela Apex-Brasil, ministro apresentou perspectivas do cenário econômico a investidores chineses

Brasília (DF) – A uma plateia formada por autoridades, empresários e investidores chineses, Marcos Pereira (PRB) afirmou, no sábado (2), em Pequim, que o governo recolocou o Brasil nos trilhos do desenvolvimento. O ministro foi um dos convidados do Seminário de Oportunidades de investimento, organizado pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). Em sua fala, ele destacou que, em 15 meses de gestão, o novo governo levou adiante reformas estruturantes, urgentes e imprescindíveis para o crescimento do país.

“Essas iniciativas já têm surgido efeitos tantos nos índices, quanto na expectativa dos agentes econômicos. A inflação está sob controle e a expectativa é de que chegará ao final do ano abaixo do centro da meta. A taxa de juros segue em movimento de redução firme e sustentável. Esse movimento encoraja o investimento produtivo e dá segurança jurídica aos investidores”, disse.

Marcos Pereira ainda repercutiu o resultado da balança comercial brasileira, que registrou o maior superávit da história nos primeiros oito meses do ano. “Nosso saldo comercial já alcançou US$ 48,1 bilhões, valor que já supera todo o superávit registrado em 2016, que foi de US$ 47,7 bilhões. Importante dizer que esse desempenho reflete aumento tanto das exportações quanto das importações. E esse, sem dúvida, é um sinal claro de retomada do crescimento”, disse.

Facilitação de comércio

Marcos Pereira destacou a ampliação significativa da corrente de comércio nos últimos anos entre Brasil e China e lembrou que o país asiático é o principal parceiro comercial desde 2009, quando superou os Estados Unidos. O ministro, contudo, lamentou que 85% das compras chinesas estejam restritas a apenas três produtos primários – soja, minério de ferro e petróleo bruto. Ele falou da necessidade de diversificar a pauta e que os investimentos podem contribuir para isso.

O ministro apontou ações do MDIC que colaboram para alavancar a economia nacional e dinamizar o comércio exterior do país. Uma das iniciativas destacadas foi o novo processo de exportações do Portal Único de Comércio Exterior, lançado em março deste ano.

“Esse novo sistema redesenha os fluxos de comércio exterior, reduz prazos e custos para todos envolvidos. Quando alcançarmos a plena implementação, nossa expectativa é reduzirmos prazos e custos para os operadores e, consequentemente, trazer ganhos para o PIB”, explicou. Estudo da Fundação Getúlio Vargas aponta que esses ganhos podem chegar a US$ 23,8 bilhões em 2018, com o pleno funcionamento das ferramentas do portal, e até US$ 74,9 bilhões em 2030.

Política industrial

Outra ação do MDIC apresentada em Pequim foi o Rota 2030, nova política pública do governo federal, coordenada pelo MDIC, e voltada ao desenvolvimento da indústria automotiva. Como disse o ministro, trata-se de um planejamento de longo prazo que toma por base as mais modernas tendências mundiais da indústria de mobilidade.

“Estabelecemos a meta de chegarmos a 2030 com tecnologia equivalente à de mercados avançados, integração ativa na cadeia global de suprimentos e competitividades na produção dos principais sistemas automotivos”, destacou.

Inovação

O ministro Marcos Pereira também apresentou as ações do ministério que focam em inovação e propriedade intelectual. “Estamos às portas de uma nova revolução industrial, que se dará pela assimilação de novas tecnologias de conectividade em rede ao processo produtivo. Desta forma, elaboramos o marco brasileiro para a Política Nacional de Indústria 4.0 que lançará as bases necessários para darmos um salto de desenvolvimento”, disse.

No setor de propriedade intelectual há, como explicou o ministro, uma área de interface de cooperação com o governo chinês. Está em curso um importante diálogo entre o INPI e o Escritório Chinês de Propriedade Intelectual (Sipo) para a criação de um mecanismo piloto de compartilhamento de exame de patentes, o chamado Patent Prosecution Highway (PPH).

Texto e foto: Ascom MDIC

Posts Relacionados