Iniciativa da republicana Renata Banhara (PRB) tem o objetivo de acolher e ajudar emocionalmente vítimas que chegam a delegacias após episódios de agressão
Iniciativa da republicana Renata Banhara (PRB) tem o objetivo de acolher e ajudar emocionalmente vítimas que chegam a delegacias após episódios de agressão

São Paulo (SP) – A palavra da vez é sororidade e depois de sentir na pele o que é passar por uma situação de violência doméstica, a republicana Renata Banhara (PRB) decidiu criar o projeto “Sentinela do Bem”. O objetivo é acolher e ajudar emocionalmente vítimas que chegam a Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher (Deam) após episódios de agressão.

A iniciativa funciona da seguinte maneira: voluntários fazem plantão nas Delegacias. Assim que uma mulher entra no local para fazer uma denúncia, os ajudantes dão um kit de camiseta para a vítima, com a intenção de cobri-la e resguarda-la e, pensando na saúde dessas mulheres, eles entregam também água, biscoito e álcool em gel.

“Passei por essa triste situação e não tinha ninguém para me dar esse tipo de apoio, por isso decidi criar essa iniciativa. Às vezes essa mulher precisa somente de um abraço, uma mão amiga para chorar, não falo nada e não dou palpites. Estou ali para ajudar e escutar. Faço essa ação, por enquanto sozinha, e compartilho para que mais pessoas, independente de sexo, possam ser voluntários (as) nas Deam’s da vida”, conta Renata Banhara.

A republicana explica ainda o porquê do projeto: “Toda essa ideia foi concebida depois de perceber que todas as vítimas de violência física ficam sem alimentação por horas, grande parte sofrendo violência psicológica com seus filhos. Na grande maioria das vezes, elas estão com roupas rasgadas e ensanguentadas, por isso a ideia de doar esses kits para elas”, concluiu.

Renata ainda gerencia pessoalmente o perfil “S.O.S Mulher”, que tem o objetivo de ajudar e orientar mulheres que passam pela situação de violência. “Na rede social do ‘S.O.S Mulher’ levo informações, endereços, telefones úteis emergenciais, e informações gerais sobre como lidar e denunciar a violência contra a mulher. Penso sempre em levar auxílio e informação, como Leis e medidas de proteção. Um local onde procuro unir mulheres para que trocam conhecimento e experiências”, relatou.

Como denunciar

O Conselho Nacional de Justiça do Brasil recomenda que as mulheres que sofram algum tipo de violência procurem uma delegacia, de preferência as Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher (DEAM), também chamadas de Delegacias da Mulher. No Brasil há um número específico para receber esse tipo de denúncia, o Disque 180, a Central de Atendimento à Mulher. O serviço funciona 24 horas por dia, todos os dias do ano e a ligação é gratuita.

Texto: Ascom – PRB Mulher Nacional
Foto: Cedida