Foi com entusiasmo que em março de 2015 nós criamos a Frente Parlamentar Contra o Abuso e a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, na Câmara dos Deputados. E como presidente, tem sido uma honra atuar nesta causa em defesa daqueles que são o futuro do nosso país. Trabalhamos muito e mergulhamos nessa triste realidade, que é o submundo do abuso e da exploração sexual infanto-juvenil. Em 2018, a nossa frente parlamentar, que completará 3 anos, seguirá uma nova estratégia.

Nos últimos meses, a frente parlamentar, em caráter itinerante, visitou cidades do interior paulista – Jaú, Avaré, Barretos, Cosmópolis, Elias Fausto, Hortolândia e Americana – a fim de levar informação e orientação às famílias sobre os perigos que rondam os crimes de abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes. Continuaremos percorrendo o interior paulista, mas daqui para frente, realizando audiências públicas.

Por isso, estamos entrando em contato com as prefeituras municipais, no sentido de firmar parcerias para a realização dessas audiências. Queremos chamar a sociedade para que os cidadãos participem dos debates com especialistas, representantes do poder público e autoridades na área de proteção à criança e ao adolescente. Todos devem participar.

Envolver a sociedade nessa discussão é fundamental para reduzirmos os índices de violência sexual infanto-juvenil em todo o país que, lamentavelmente, continuam alarmantes. Segundo dados do Disque 100, entre janeiro e junho de 2017, foram registrados 9.138 denúncias de abuso e violência sexual contra menores, ou seja, a cada hora, duas crianças e adolescentes foram vítimas de violência sexual.

Na audiência pública realizada no dia 14 de dezembro, na Câmara dos Deputados, especialistas em segurança digital fizeram um alerta para o crescente número de casos de abuso sexual através da internet. A exposição exacerbada de jovens nas redes sociais vem chamando a atenção de criminosos ligados às redes de pedofilia e pornografia infantil. Resultado disso é que no fim do ano passado, uma megaoperação liderada pelo Ministério da Justiça resultou na prisão de 108 pessoas envolvidas com pedofilia e pornografia infantil na internet. Eis, portanto, uma nova ameaça contra a segurança das nossas crianças e adolescentes.

Meus amigos, reduzir os casos de abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes vai muito além das ações policiais. Isso depende da participação de todos nós – autoridades, profissionais liberais, escolas, igrejas, entidades de classe, instituições filantrópicas, entre outros. Mas eu chamo a atenção para a importância da família nesse combate. É papel dos pais e responsáveis orientar e zelar pela segurança dos filhos dentro e fora de casa.

Vamos juntos nessa luta, para que tenhamos um 2018 melhor.

 

*Roberto Alves é deputado federal pelo PRB São Paulo e presidente da Frente

Parlamentar Contra o Abuso e a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

Posts Relacionados